segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Aqueles Dias Contraditórios



Não sei exatamente para que vou escrever isso, mas se você espera algo inovador, algo deslumbrante ou sei la quais sejam suas expectativas com esse texto, já desista, tenho certeza que cada palavra é mais um desejo de organizar minha mente do que um texto para ser lido.
Já fazem alguns dias em que não caibo dentro de mim, é meio estranho se sentir pequeno, logo eu que não tenho medo de nada e sou do mundo, mas nos últimos dias percebo que não me reconheço num me vejo, meu corpo não é o meu corpo. Como se eu estive-se morando de favor em um outro alguém. Geralmente sou o tipo de pessoa odiada pela maioria, e realmente isso não me incomoda, não sou mesmo de muitos amigos e não faço questão de sorrir para quem não me agrada.
Mas é estranho que nos últimos dias não sinto isso, me sinto abalado pelo mundo, e não de opiniões fúteis mas sim de opiniões que ferem e interferem quem eu sou.
Eu sou o tipo de pessoa que grita,  sai e arrasta todos junto comigo, aquele que nunca fica calado e mesmo que calado a força em mim e o fogo que tenho faz com que os outros se calem na minha presença.
Sou forte e sei muito bem disso, com a idade que eu tenho já estive em lugares e fiz coisas imagináveis, ocupo lugares em que outras pessoas levam anos pra conseguir. E tenho muito orgulho do caminho que percorri até agora.
Mas me sinto preso e limitado, tudo que tenho feito me colocaram barreiras e não são barreiras com as quais já me deparei e não são barreiras que me ajudaram a me afirmar no mundo. São barreiras de ego, inveja, ódio,   incerteza, medo, desespero, capitalista...
São barreiras de ódio, literalmente, vejo todos os dias competições desnecessárias entre pessoas que deviam se ajudar, pessoas que pararam no tempo, pessoas que no dinheiro se afundam, pessoas que não amam...
E de fato eu não tenho nada haver com isso, não posso lidar com o mundo e com a vida dos outros, mas eu percebo cada dia mais o quanto a decisão do outro me afeta, a cada dia uma morte nova, uma lei nova, uma bíblia nova... regras... E nisso me sinto definhar, meu corpo não aguenta, meu rosto envelhece, minha energia se esvai...
Ok são situações master com a quais eu realmente não consigo lidar, pelo menos não sozinho... Mas mesmo em situações mais próximas de mim, me vejo preso, confinado...
Eu sei que posso mais, que eu preciso crescer, mas fico preso a telefonemas, turmas, problemas dos outros que tenho que resolver... São coisas que não aguento mais...
Preciso me curar dessa cegueira e de pensar em coisas pequenas que não vão trazer nada de bom pra mim, por que as pessoas ao meu redor usam da minha força pra que elas cresçam ou para se manter.
Queria só caminhar sem ter que me preocupar se alguém deixou de pagar ou não, ou das tarefas dos dias que virão.
Aos 18 anos, sou o tipo de pessoa que não consegue sair pra ir pro cinema, que não vê os amigos, que num sabe o que é um encontro... Eu realmente não sei o que é ter tempo para ser livre, para ser eu, as pessoas com quem saio, as pessoas com quem me relaciono, as pessoas com quem trabalho... Vem todas do mesmo lugar, da mesma situação... E as pessoas que conheço por conta própria somem e desaparecem da minha vida por não aguentar minha realidade.
Eu estou realmente farto de tudo,  o desejo de abandonar tudo é tão grande, mas a unica coisa que me prende é a realidade frágil que por tão pouco seria corrigida mas por muito ela não se corrigi, sendo assim eu permaneço aqui.

Nenhum comentário :