terça-feira, 30 de abril de 2013

Tutorize-se "Seu Mundo"


   Todo mundo tem seu lugar favorito, em sua casa (geralmente), onde se sente no seu próprio mundo, e ali é o único lugar onde você se sente melhor e mais a vontade, e quase sempre o intitulamos de quarto!
   E oque vocês acham de deixar esse mundo mais seu, com mais a sua cara?

   Bom nesse primeiro post de TUTORIZE-SE irei ajuda-los a se inspirar, para criar algo novo em seu "mundo", bom no meu caso meu mundo se encontra no meu quarto mesmo, mas como eu divido ele com o meu irmão ele não é tão meu assim (kkkk), mas dace um jeito não é?
    Para começar eu acho muito interessante colocar algumas "regras" (não precisam levar a sério, porque só estou aqui para inspira-los), então na minha opinião para colocar seu mundo para fora e expressa-lo em uma decoração, você deve pensar bem, visualizar bem oque dá e oque não dá para ser feito no lugar, e se oque tiver em mente não der para fazer crie algo novo inspirado noque queria, ter um objetivo e não sair colocando as coisas desesperadamente, ter noção de espaço, enfim... tenha consciência e elabore bem antes de tudo.

-UM PONTO IMPORTANTE:
           A palavra "decoração" pode ser dividida em duas, ou seja, "de coração".
           Sendo assim, pense bem antes de decorar seu mundo, coloque nele coisas boas, algo que te lembre um momento, um presente querido, um objeto marcante, momentos, etc... Não coloque só porque é bonito, tente colocar um significado para cada coisa, ou porque gosta ou deseja, enfim... (mas sempre tem algumas exceções kkkkk)

-UMA DICA:
          Não precisa comprar coisas novas, e gastar rios de dinheiro, só para ser bonito e bem feito, quando mais vier de você, quanto mais você mesmo criar,  melhor, pois ai sim será seu mundo, dê novas utilidades para objetos antigos ou os use para novos meios.

   Bom borá lá? Dar uma decoração de coração para seu mundo! (Esse post vai ser longo).


   Para esse post vou usar como exemplo o quarto mesmo!
   E para decora-lo existem várias idéias e modos, basta usar e abusar da criatividade, mas não se esqueça dos objetivos!

   Primeiros passos:
   -Arrume o Quarto(não deixe muita coisa no meio do caminho)
   -Veja oque pretende fazer e vai estilizando, mentalmente.
   -Se quiser mude os moveis de lugar também.
   -E separe oque for usar.

   Algumas ideias:
   Deixe uma parede livre, sem nenhum móvel, pois ali você vai poder fazer tudo oque quiser, (ou pelo menos parte da parede), se quiser pode estilizar a porta, a janela, a cortina, o armário... 


   As paredes são a parte mais importante e a que lhe permite criar muito, você pode colocar ou pendurar objetos como os discos da foto1, ou fazer colagens de fotos de revistas, Posters, quadrinhos, frases cortadas em folhas avulsas e forrar a parede como a foto2, e também pode fazer seus próprios desenhos ou pinturas na parede como na foto3.
  Mas como na maioria das vezes, ou por os pais não deixarem, ou a casa ser alugada, não podemos colocar nada na parede, sendo assim, forre ela antes com um papel resistente (cartolina ou papel cartão por exemplo) ai vocês poderão fazer suas artes em cima desses papeis, sendo assim, não ficará nenhuma marca na parede a não ser da fita para colar os papeis na parede (oque é raro de deixar marca).

   OBS.:Muito cuidado para quando colocar pais ou folhas na parede, para não deixar espaços sobrando entre eles, ou deixar frouxo, estique bem e deixe bem fixo. 


   Uma das coisas que eu mais gosto são dos murais de fotos, de lembranças, enfim, e eu acho muito divertido faze-los, então vejam só: 
    Foto1- O seu mural pode ser feito como se fosse um varal, pegue linhas e as pendure, depois só comprar pregadorezinhos, para colocar as fotos ou qualquer outra coisa (acho que você irá achar os pregadores numa loja de 1real kkkk), mas lembre-se deixe as linhas bem fixas e equilibre o peso.

   Fato2- Use somente fotos e cole-as, podem ser organizadas, ou não, se quiser pode fazer formas ou desenhos com as fotos, como por exemplo um coração, ou a letra do seu nome...
   
   Fato3- Junto com o mural você pode colocar objetos na parede, ou outras coisas envolta dele oque fica bem interessante e chamativo.
   
   Foto4, Foto5 e Foto6 - Você pode fazer um mural bem rico de coisas, colocar bastante fotos e/ou só de recortes ou Posters de bandas que goste e frases também e como mostra você também pode colocar objetos (foto6), e fica uma dica nem sempre o arrumadinho é o melhor ou o mais bonito. 

   E o bom do mural é que nele você pode colocar as coisas que faria na parede (e não deu), pois no mural faz ali e acabou não danifica a parede.


   Para as meninas que gostam de maquiagem e essas coisas tipo Bruna Viera (kkkk), vocês podem usar a escrivaninha de vocês para isso, como mostra a Foto1. 
  Já você que é mais estudioso ou gosta de escrever, coloque na escrivaninhas, coisas que já ajudem nisso, tipo um dicionário, um abaju, um porta lápis e canetas...,e decore com alguns objetos do seu gosto, com fotos também (Fotos2 e 4)
   E os organizados, oque não é o meu caso, coloquem só o necessário (foto3)
  E para quem não usa a escrivaninha para nada, coloque só objetos de sua preferencia como na Foto6.


  Bom nas imagens acima tem algumas ideias de estantes e pratelheiras, nessas sejam mais criativos, usem e abusem de objetos decorativos, latinhas legais, bichos e brinquedos, coloquem livros, filmes, CDs, suas coleções, etc... Fica legal também colocar pisca-pisca nelas, analisem as imagens e vejam qual tem mais a sua cara e crie a partir disso.



-IDEIA EXTRA-

   Para as meninas (it-girls), que sempre quiseram um closet, ou algo do tipo, mas não foi possível, geralmente por espaço, eu achei essa foto, oque é  uma ideia bem interessante, e você poderá colocar em algum canto do quarto, no lugar da escrivaninha, ou na frente da sua parede decorada, ou se preferir use a estante para isso. Enfim seja inspirada e elabore sua ideia a partir daí.


   Bom gente o TUTORIZE-SE de hoje fica por aqui, espero ter ajudado e inspirado um pouco vocês, comentem se gostaram ou não, e os  TUTORIZE-SES serão assim, bem livres, apenas inspirando você para que criem os seus. 
    E para vocês eu deixo a foto do meu mundo:


    Mande sua foto também! 




Beijos e Abraços, até mais!
Caio Bigliazzi

Continue Lendo ►

terça-feira, 23 de abril de 2013

Web-Novela Epilogo



Epilogo

Mãe e pai, esses dias a vó me pediu para ir até o “sótão”, que é mais parecida com um escritório, pegar uma caixa, mas a estante de livros me chamou a atenção e ao olhar na escrivaninha vi que lá estava um livro separado. E eu curioso fui olhar.
E quando abri, lá estava a história de vocês, pai, eu li todas elas, do começo ao fim, foi ai que descobri algo mágico; toda a vida de vocês:
Todo o amor que o pai sentia por você, mãe; Tudo oque fizeram na casa da praia ( não adiando as palavras abstratas eu consegui entender pai); Todas as loucuras que o pai fez antes de conhecer a mãe; Tudo oque vocês sentiam por mim, e como eu compliquei a vida de vocês , ah e ante que me esqueça, pai obrigado pelo Dino, ele é meu companheiro...
Desculpa de falar tanto pai e mãe é que é divertido, nunca pude falar isso pessoalmente.
Nossa descobrir tudo foi, tão...tão...tão... Ah foi incrível.
Como eu queria um abraço de vocês agora, mas eu sei que que eu precisar, vocês estarão comigo, obrigado por tudo!
Beijos e abraços, e o Luke com certeza quer lhes mandar um latido!
Felipe e Aline amo vocês (meus pais)
 -PS.: Pai, fique tranquilo que eu vou realizar seu sonho!
O Sonho: De ter um mundo melhor.
Continue Lendo ►

segunda-feira, 22 de abril de 2013

Capitulo 100 – Arthur



Capitulo 100 – Arthur

O livro inteiro foi escrito assim, basicamente autobiográfico e também fiz um parte inteira sofre o Arthur:
“Só de pensar, fico anestesiado de tanta felicidade, terei mais um amigo, voltarei a ter vida, a ser criança, brincadeiras não iram faltar, histórias não serão esquecidas, serei seu amigo por toda vida.
Não quero ser só o mais velho, e responsável por protege-lo e cuida-lo, quero estar com ele, poder fazer com que ele nunca esqueça o quão maravilhoso é poder brincar de ter um mundo, quando já se existe um!”
Fiquei todos os dias ao lado da Aline, mesmo que ela não soubesse, li o livro com ele, presenciei suas reações e seus sorrisos quando a história lhe contagiava, era magnifico ter um momento nosso e poder sentir seu cheiro.
...
...
Ao terminar o livro a Aline o deixou no meu escritório em cima da escrivaninha e geralmente aos fins de tarde ela ia lá para ver alguma coisa no livro, depois sentava no sofá e ficava pensando, eu sei que ela sentia minha falta, e eu queria estar com ela, mas eu sei que não era possível. E quando ela ia lá eu geralmente sentava no chão e a observava.
...
Algumas semanas depois...
...
A Lucia foi condenada por homicídio doloso, após matar o infeliz, e infelizmente ela pegou 8 anos de prisão. Oque é injusto pois foi um ato de bondade, para a sociedade. Mas mesmo assim não houve jeito.
Sergio e Lena, finalmente se acertaram e estão bem agora e eles fazem um bom casal e o bom também é que os dois passaram basicamente para as mesmas coisas, assim fica mais fácil de um compreender o outro.
Heloisa agora encontrou um cara legal e que costa de sua filha, e ela falou que está pensando em se juntar com ele.
A Carol e o Fabinho as vezes ligam para a Aline, perguntando como ela e o Arthur estão, mas apesar de tudo isso só tem uma coisa que me desagrada...
Aline vem passando mal nessas ultimas semanas, com pressão alta, ânsias e moleza, não entendo o porque, mas se pelo menos ela fosse para o medico, mas ela insiste que está bem.
Quando eu a vi ela caída no chão do banheiro, tonta e com ânsia, me deu uma angustia em não poder fazer nada, a única coisa que posso fazer é deseja-la melhoras e rezar por ela.
Falta pouco para o Arthur nascer, ela está de oito messes agora, e eu espero que seja por causa disso que isso esteja acontecendo, não gosto de ver meu amor mal.
...
Mais alguns dias se passaram...
...
-Lena!!! – gritou a Aline do quarto apavorada.
-Aline? – minha mãe correu o mais rápido que pode. – Oque houve? –perguntou assim que chegar.
-Eu estou passando mal, me tira daqui! –implorou a Aline.
-Oque você está sentindo?
-Estou com cólica, ânsia, tonta...
-Espera eu vou chamar seu pai, ele acabou de sair com o Luke!
Minha mãe saiu correndo novamente e abriu a porta de casa, por sorte Sergio estava próximo de casa:
-Sergio!!! Corre temos que levar a Aline para o hospital agora! – gritou minha mãe.
E ele voltou correndo, junto com Luke, logo pegou as chaves do carro e a ajudou a descer as escadas. Ao chegarem lá ela entrou nos casos de emergência e foi submetidas a vários exames na maca mesmo, até um medico dizer:
-Temos que fazer o parto agora! – Aline estava mole e tonta.
-Mas não é muito arriscado? – perguntou a outra medica.
-Sim, mas temos que correr ou perderemos os dois se for oque estamos suspeitando.
Levaram ela a sala de parto, onde estava mais uns 5 médicos, como ela estava mole dois médicos tiveram que a segurar, para tomar a anestesia, quanto mais a anestesia fazia efeito seu corpo amolecia mais e a pele ficava mais pálida e a boca de rosada passou para roxa.
Mas que diabos estava acontecendo.
-Não podemos esperar mais a anestesia, logo vai começar.
Os médicos começaram então a fazer o corte da cessaria, e ela começou a gritar, e logo parou e começou a estremecer.
-Está ocorrendo a primeira!
-Temos que tirar a criança o mais rápido possível.
Logo a Aline parou, mas depois de alguns segundos...
-Segunda! Seus batimentos estão passando de 100!
-Falta pouco, para tirarmos a criança
E ai foram a terceira, a quarta, a quinta e os médicos ainda tentavam retirar o Arthur. Tudo foi tão rápido...
-Os batimentos dela pararam! – falou a medica.
-Eletrochoque! – afirmou a outra medica.
-Não, ainda não, a criança não saiu! – brigou o outro medico estava tentando retirar o Arthur, que lago saiu, aos berros.
Ele realmente era um menino lindo, pequeno e indefeso.
-Rápido faça todos os testes no menino, temos que verificar tudo o mais rápido possível! – disse o medico estava com ele entregando-o para a medica. – Vamos reanima-la.
-1... 2... 3... 4... 5... Mais potencia! 6... 7... Voltou! – aguardou um pouco e logo os batimentos pararam novamente. – Vamos garota, aguente firme! 1... 2... 3...
Mas não houve oque ser feito, e Aline deixou Felipe como eu, e agora nosso filho como será você sem nós?
...

Fim!
Continue Lendo ►

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Capitulo 99 – Leitura



Capitulo 99 – Leitura

Todos estavam dormindo já, então ela tentou fazer o mínimo de barulho possível, até que chegou no quarto e se jogou na cama, colocando o pendrive ao lado do abajur, perto dela.
E então ela foi dormir, ela era linda ao dormir, fiquei a noite toda a observando.
Logo de manha quando ela acordou, pegou o pendrive, colocou uma roupa qualquer e uma das minhas blusas, uma azul e branca.
Ela foi para a loja de impressão e mandou a moça imprimir oque havia no pendrive, eram impressas folhas e folhas e durou um bom tempo, pois a Aline pediu para encadernar. E depois de pronto ao olhar na capa, notei que era meu livro que ela tinha mandado imprimir. O livro ficou enorme, eu não tinha noção de como ele estava grande.
...
...
Ao chegar, nossos pais a esperava, tomaram o café da manha e logo depois ela subiu para o quarto, colocou o livro na cama, trocou de roupa, e sentou na cama, respirou fundo, e então abriu o livro:
“Quando eu não tinha nada
Encontrei meu tudo
De olhos castanhos, pele clara, cabelos ondulados.
Seu gosto era fascinante
Tinha desejos a todo instante
Juntos seguimos lado a lado
Juntos formamos um escudo
E juntos entraríamos nessa cilada.”
Era interessante ver as reações dela, suas expressões, algumas vezes cheguei a rir dela ,mas estava adorando ela estar lendo o livro.
Naquele livro estava todos meus sentimentos por ela, cada comentário, cada desejo, cada momento, cada sentimento, cada observação, qualquer coisa que fosse sobre ela e a nossa vida. Coloquei tudo oque era de mais importante para mim naquele livro, pensamentos que eu achava que ela tinha, ou coisas que ela pensava sobre mim, escrevi dela, do Arthur, de amigos e até de minha mãe.
Apesar de estar distante dela um dia eu estava com saudades, então comecei a escrever sobre, de como as coisas mudavam e de como ela era linda:
“Quando somos crianças vemos as coisas de uma outra forma, de um jeito mais magico e singelo, inocente as vezes, mas nem por isso tudo oque vemos é fantasia ou imaginação.
Eu presenciei a rainha deixar o trono, abandonar riquezas, deixar seu mundo esbelto, para ser uma simples camponesa, talvez aquilo a fizesse feliz, ou ela se sentisse bem assim, eu era novo não dava para entender essas coisas. Mas nunca vi um momento de felicidade se quer, nem um sorriso no rosto. Aos poucos a rainha estava feia e estranha, não era mais a mesma, carisma já não existia, a felicidade já foi-se embora faz tempo, era uma alma vazia.
E eu sinto falta da rainha e do rei, governando o nosso reio, onde nada importava, somente a união.”
O livro inteiro foi escrito assim, basicamente autobiográfico e também fiz um parte inteira sofre o Arthur:
“Só de pensar, fico anestesiado de tanta felicidade, terei mais um amigo, voltarei a ter vida, a ser criança, brincadeiras não iram faltar, histórias não serão esquecidas, serei seu amigo por toda vida.
Não quero ser só o mais velho, e responsável por protege-lo e cuida-lo, quero estar com ele, poder fazer com que ele nunca esqueça o quão maravilhoso é poder brincar de ter um mundo, quando já se existe um!”
Fiquei todos os dias ao lado da Aline, mesmo que ela não soubesse, li o livro com ele, presenciei suas reações e seus sorrisos quando a história lhe contagiava, era magnifico ter um momento nosso e poder sentir seu cheiro.
...
...
Capitulo 100 (último capitulo dia 22/04 às 23h00)
Continua...
Continue Lendo ►

Capitulo 98 – Visão Privilegiada



Capitulo 98 – Visão Privilegiada

Agora os amigos da redação do Felipe, veem me visitar para saber do Arthur, principalmente a Carol, que fez até uma edição especial da revista em tributo ao Felipe, a edição inteira foi dedicada a ele, alias bastante gente fez homenagens a ele.
Só queria que ele pudesse ver oque ele fez para todo mundo e de como todos sã gratos a ele, um dia eu fui dar um volta no parque e encontrei um menino com uma blusa dele e perguntei para o menino e ele contou para mim oque aconteceu, eu contei para ele que eu era a garota de quem ele falava.
...
...
Dois messes depois...
Tanto tempo, estava com saudades, as coisas mudaram tanto, a rotina, as pessoas, tudo. É bom ver todo mundo seguindo em frente, e não me esperando, oque seria banal.
Mãe estava sorridente e linda novamente, o Sergio, pelo que parece namorado dela, também está mais feliz, e é bom ver os dois juntos. Eles estavam na cozinha e minha mãe preparava o almoço.
Luke brincava ao chão com seus brinquedinhos, embora ele cresça, sempre vai r uma eterna criança.
Subi as escadas e vi minha afilhada brincando no corredor, ela estava engatinhando, como ela estava crescida, e atrás dela a Heloisa indo atrás da menina, ela parecia muito mais madura do que antes.
E por fim entrei no quarto e pude ver quem eu mais queria, minha linda, Aline, ela estava na cama sentada, sorrindo com as conversas da Heloisa, pelo visto as duas se davam bem agora, pelo menos melhor do que antes, Aline estava lendo uma revista, que era minha alias e o radio estava ligado.
Arthur tinha crescido bastante, agora dava para se notar a barriga, só sinto muito por não poder estar presente com ele em todos os momentos, sei o quão difícil num é ter um pai, mas ele terá uma mãe incrível, sempre presente.
Fiquei feliz em ver todos felizes e animados, era oque eu precisava saber.
Posso não estar presente ali para Aline, ou para os outros mas eu sei que eles sabem que eu os amo, principalmente a Aline e o Arthur, seja lá onde eu estiver os amarei.
A noite depois que a Heloisa foi embora a Aline ficou no quarto vendo desenho animado, como sempre fazíamos, mas de repente ela levanta e vai para o meu escritório.
Ele ainda estava bagunçado e desarrumado como eu havia o deixado, achei estranho a reação da Aline, oque ela queria ali?
Ela procurava, abria as gavetas da escrivaninha olhava a estante, tirou algumas coisas do lugar, procurou nos armários e após se cansar ela sentou no sofá e puxou o cobertor que ali estava, para se cobrir, só então achou oque queria, meu notebook.
Ela o pegou, hesitou um pouco, deu uma pausa e então o abriu, não fazia ideia do que ela queria, e então ela parou na senha, e ficou olhando a tela, eu nunca havia falado para ela a senha do meu notebook, mas não era nem um pouco difícil, era até obvio.
“Vamos se consegue!” – pensei.
Ela pensou um pouco e digitou algo do Arthur, mas não abril, depois ela tentou algo sobre ela e novamente deu erro, tentou mais umas 3 ou 4 vezes e nada até que ela conseguiu – alineearthurmeusamores – ela vasculhou o notebook inteiro e estava impaciente, pelo visto ela não achou oque queria, mas após algum tempo ela achou.
Ela pegou um pendrive que estava sobre a escrivaninha  e o conectou, pelo visto ela achou oque queria, depois de passar para o pendrive ela pegou-o e não o soltou mais, desligou o notebook e deixou no sofá, onde estava.
Todos estavam dormindo já, então ela tentou fazer o mínimo de barulho possível, até que chegou no quarto e se jogou na cama, colocando o pendrive ao lado do abajur, perto dela.
E então ela foi dormir, ela era linda ao dormir, fiquei a noite toda a observando.
Logo de manha quando ela acordou, pegou o pendrive, colocou uma roupa qualquer e uma das minhas blusas, uma azul e branca.
Ela foi para a loja de impressão e mandou a moça imprimir oque havia no pendrive, eram impressas folhas e folhas e durou um bom tempo, pois a Aline pediu para encadernar. E depois de pronto ao olhar na capa, notei que era meu livro que ela tinha mandado imprimir. O livro ficou enorme, eu não tinha noção de como ele estava grande.
...
...
Capitulo 99...
Continua...
Continue Lendo ►

De Nada Vale

-De Nada Vale 

Não queria isso
Você sabe muito bem
O problema é que sente também.
Mas só me de um sorriso
Que é oque eu preciso.

Segure minha mão
Me leve para o céu
Eu quero ser seu
Desde que seja minha também
Me diga que, vem!

Ontem a noite
Lembrei do que me disse
Ignorei,
Fiz como se não ouvisse
mas senti que seu amor
Era como se eu mesmo o sentisse

Mas quando eu digo, te amo
É porque te quero
Quando eu digo, te amo
É porque te espero
Quando eu digo, te amo
É porque te venero

Amor algo tão banal
Odeio ser sentimental
Oque é estranho
Se eu sou feito de sentimentos
E é meu sustento

Não sou romântico
Nem o cara certo para você
Mas se possível
Quero ser oque mais sonhou
E oque mais desejou

Um cara formoso
Com valores e respeito
Sábio e corajoso
Mas sei que não é desse jeito
Me da um aperto no peito
De não ser o seu garoto perfeito

Acho que toda garota
Sonha com um cara assim
E é oque você merece
Mas sinto como se não desse
Como se eu não pudesse.

Tenho meus defeitos
Meus problemas
E oque sinto,
Não tem os mesmo efeitos
Seu amor é tanto
Tenho vontade de retribui-lo de algum jeito.

Um beijo,
Um olhar,
Caricias,
Você é meu sonhar.

E eu paro pensando,
Em quando?

                                                       
                                    -Por Caio Bigliazzi

Continue Lendo ►

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Capitulo 97 – Famílias Unidas



Capitulo 97 – Famílias Unidas

Quando já era por volta das 8 da noite voltei para casa, os dois estavam no sofá abraçados vendo um filme e tomando refrigerante.
Pequei o telefone e liguei para casa para falar que estava tudo bem, depois peguei um pouco de refrigerante e um salgadinho que tinha lá.
-Bom meninos vu tomar um banho e dormir, tem mais um quarto com cama de casal, se quiserem aproveitar, e tem toalhas de banho nos guarda roupas, se divirtam, boa noite.
-Boa noite Aline, obrigado! – disseram os dois.
Fui para o quarto e tomei banho, coloquei uma roupa que tinha no guarda roupa e dormi.
...
...
Demorei um pouco para dormir, estava sem sono, me sentindo sozinha e também estava ouvindo os dois no quarto ai lado, mas nem quero comentar sobre isso. Logo o sono veio e dormi.
Naquela noite tive um sonho lindo, sonhei com o meu casamento, o Felipe me esperando no altar e eu caminhando  com o vestido que eu havia escolhido.
  O ruim foi acordar e perceber que nada disso tinha acontecido realmente.
Fui para a cozinha e fiz  café, para mim e os meninos.
Depois liguei a televisão e coloquei num desenho qualquer, como sempre fazia todas as manhas com o Felipe, como eu sinto a falta dele.
Quando era perto do meio dia, o Ruan sai do quarto só de calça, todo descabelado e se senta ao meu lado se apoiando em mim.
-Bom dia! – falei.
-Bom dia! – resmungou ele.
-A noite foi boa?
-Uhum! – concordou ele com um sorris malicioso.
-Fiz o café da manha de vocês mas já deve ter esfriado!
-Tudo bem, obrigado!
Logo depois sai o namorado do Ruan todo desajeitado, tentando se arrumar ao máximo, tentando passar uma boa impressão para mim, e assim como Ruan ele se sentou do meu lado.
-Bom dia! – falei.
-Bom dia! – respondeu ele tímido.
E Ruan começou a rir dele e da sua reação, e logo me juntei a ele, deixando-o todo vermelho de vergonha, passei a mãe na cabeça dele e sorri.
-Vão tomar café vão! –falei para os dois e eles foram, estava feliz por eles e de estar com eles.
Depois de eles tomarem o café arrumamos a casa e esperamos um pouco e então voltamos para casa, dessa vez deixei o namorado dele ir na frente e eu deitei no banco de trás com a blusa do Felipe.
Ao chegar em casa, Lena e meu pai estavam se dando bem, e fiquei feliz por isso, cheguei em casa tomei um banho e fiz companhia a eles. Luke ficou agitado com a minha presença.
...
Algumas semanas depois...
Eu ainda estava sentida pela perda do Felipe e sentia muito sua falta, mas eu comecei a pensar que ele estaria ao meu lado sempre que eu precisasse, então eu fiquei mais calma, com isso, e eu realmente podia sentir ele perto de mim.
Meu pai e Lena se acertaram, eles estão juntos agora e fazem um belo casal, os dois passaram por coisas difíceis, a Lena agora estava linda, bem vestida, arrumada, com o cabelo cuidado, ela realmente era uma mulher linda, e meu pai estava mais feliz um sorris que num via desde a morte da mamãe.
A Heloisa agora me visitava sempre que dava e trazia junto sua filha, para trocarmos experiência, ela sempre estava animada em pensar que logo o Arthur viria.
A Lucia está sendo condenada e julgada pela morte do infeliz que matou o Felipe, oque devia ser errado já que ela tirou um maníaco do mundo, mas mesmo assim ela será a madrinha do Arthur, mesmo ela estando presa ou não, ela é uma ótima pessoa e foi a segunda mãe para mim e para o Felipe principalmente, então quero que ela tenho nosso filho como afilhado.
Agora os amigos da redação do Felipe, veem me visitar para saber do Arthur, principalmente a Carol, que fez até uma edição especial da revista em tributo ao Felipe, a edição inteira foi dedicada a ele, alias bastante gente fez homenagens a ele.
Só queria que ele pudesse ver oque ele fez para todo mundo e de como todos sã gratos a ele, um dia eu fui dar um volta no parque e encontrei um menino com uma blusa dele e perguntei para o menino e ele contou para mim oque aconteceu, eu contei para ele que eu era a garota de quem ele falava.
...
...
Capitulo 98
Continua...
Continue Lendo ►

Capitulo 96 – Refugio



Capitulo 96 – Refugio

Apesar de estar mentalmente preparada, de nada adiantou, desabei a chorar novamente, meu coração disparou e agi sem pensar duas vezes...
Sai correndo do hospital, descalça mesmo, sem olhar farol, nada, só corria, queria chegar o mais rápido em casa.
Ao chegar em casa, peguei a chave reserva, que estava escondida por ali, abri a porta e entrei correndo, Luke latiu para mim e saiu correndo atrás de mim, fui para o quarto e me jóquei na cama, onde estava meu vestido do casamento e o Dino, abracei  o Dino e fiquei ali quieta, só chorando.
Isso não podia ser verdade, e prefiro acreditar que não era, como poderia viver sem ele?
Luke logo chegou e deitou do meu lado e me deu a pata, apoiando-a sobre mim, tinha sorte por ter um cachorrinho sentimental e compreensivo.
...
...
Um dia se passou, eu me acalmei um pouco, mas ainda estava magoada e sentimental, para ser mais clara, fiquei um dia inteiro na cama, chorando e triste com tudo, provavelmente se ele estivesse aqui estaria brigando comigo, por estar assim, a Heloisa que estava um pouco mais controlada do que eu, ficou comigo, passamos o dia todo na cama e sem falar nada uma para outra, só magoadas pela perda.
Quando dormi naquela noite, sonhei com a noite do casamento e de quando o outro infeliz apunhalou o Felipe, eu acordei desesperada e a Heloisa acordou comigo e me abraçou para me acalmar, oque ajudou.
Quando acordamos todos já estavam prontos para o velório, a mãe dele tinha feito o café, meu pai arrumava alimentava o Luke e a Heloisa estava vestindo um vestido meu preto.
-Bom dia querida! – disse meu pai.
-Bom dia!
Fui para cozinha, me sentei na mesa e peguei uma fruta.
-Não vai se arrumar? – perguntou a mãe do Felipe, Lena.
-Não quero ir, quero lembrar dele antes disso.
-Então coma um pouco! – disse Lena sorrindo.
-Eu vou, pois quero me despedir! – disse a Helo descendo a escada e me deu um beijo na cabeça depois, antes de se sentar na mesa.
-Tem certeza que vai ficar bem sozinha? – perguntou meu pai.
-Tenho, o Luke cuida de mim.
Após todos tomarem o café eles foram, e eu fui para o quarto, mas então decidi ir para o quarto dele, seu cantinho favorito.
Em cima do sofázinho havia uma coberta e uma blusa dele, eu peguei a blusa e a coloquei e me reconfortei com o cobertor, que ainda estavam com o cheiro dele. Luke se deitou aos meus pés  e eu observei a janela.
“Como seria bom estar na praia agora!” – pensei, então decidi ligar para o Ruan.
-Oi linda! Tudo bom? Fiquei sabendo oque houve, eu sinto... – disse ele, ao atender
-Oque está fazendo? – perguntei.
-Estou aqui com meu amorzinho, porque?
-Vem para cá agora! Se quiser chama ele também.
-Beleza estou indo linda!
-Não demora!
Desliguei o celular, e fui me arrumar, coloquei uma calça jeans e um tênis qualquer uma camiseta branca e coloquei novamente a blusa do Felipe que estava no sofá lá de cima.
Peguei as chaves de casa, as chaves da praia, fiz um bilhete para meu pai e para Lena e esperei no sofá sentada, e depois de um bom tempo, e assim que o Ruan buzinou eu sai e entrei no banco da frente do carro.
-Eu sinto muito pelo oque aconteceu! – falou o Ruan e o seu namorado.
-Obrigada!
-Para onde você quer ir?
-Para praia!
-Praia? – ele ficou confuso, mas aceitou. – Beleza!
Então ele ligou o carro novamente e fomos, o namorado dele estava no banco de trás, eu e Ruan na frente, eu olhava o caminho, mas ele não era tão lindo como era, quando ia com o Felipe.
Após algumas horas de estrada, chegamos, estava anoitecendo. Abri a casa e eles entraram.
-Nossa que casa linda! – comentou o namorado do Ruan.
-Fiquem a vontade, podem comer, deve ter alguma coisa na geladeira, ou nos armários, podem ver tv, façam oque quiser. – disse jogando a chave no sofá. – Vou estar lá fora, qualquer coisa chama, podem se divertir a vontade.
Sai da casa e fui para a areia e sentei, e fiquei olhando o horizonte e lembrando do Felipe, por mais que não tivesse com ele a meu lado, podia senti-lo, perto de mim. O sol sumia e a noite caia, a lua estava linda e as estrelas cintilavam e eu queria que tudo fosse só mais um sonho.
Quando já era por volta das 8 da noite voltei para casa, os dois estavam no sofá abraçados vendo um filme e tomando refrigerante.
Pequei o telefone e liguei para casa para falar que estava tudo bem, depois peguei um pouco de refrigerante e um salgadinho que tinha lá.
-Bom meninos vu tomar um banho e dormir, tem mais um quarto com cama de casal, se quiserem aproveitar, e tem toalhas de banho nos guarda roupas, se divirtam, boa noite.
-Boa noite Aline, obrigado! – disseram os dois.
Fui para o quarto e tomei banho, coloquei uma roupa que tinha no guarda roupa e dormi.
...
...
Capitulo 97
Continua... 
Continue Lendo ►

Capitulo 95 – Buraco Aberto



Capitulo 95 – Buraco Aberto


Meu pai levou eu e ela para o carro e fomos para o hospital.
Carol estava na sala de espera quando chegamos, Felipe estava na sala de cirurgia já, e ao chegarmos, Carol correu para mim e me deu um abraço, e eu simplesmente retribui.
Não quis sentar depois, fiquei em pé, tirei o salto e andava pelo o hospital impaciente, todos me olhavam, estava com o cabelo e maquiagem impecáveis e toda suja de sangue, não era de não se notar.
Aos poucos mais gente foi chegando, amigos e mais amigos, todos me abraçavam, mas tive sorte por ninguém tentar me consolar, pois era a última coisa que eu queria. Após um tempo, parei de chorar, não havia mais lacrimas, e comecei a observar a impaciência de Arthur também, que se mexia, então tentei me acalmar, para acalma-lo
Esperamos ali a madrugada toda...
...
...
Horas e hora em pé e nenhuma noticia, eu andava dela para cá e de lá para cá e nada. Todos estavam impacientes, principalmente a mãe dele e a Carol que choravam uma com a outra, se consolando e falando o quanto ele era especial.
Eu já estava farta de esperar e impaciente com aquele caos, todo mundo aflito e rezando, então eu simplesmente sai dali.
Andei pelo corredor enorme do hospital, até chegar no jardim que tinha lá dentro, observei todas as flores e folhas dos arbustos, a grama estava verdinha e o sol estava nascendo, devia ser por volta das 6 da manha, o céu estava lindo só com algumas nuvens e o sol surgindo aos poucos.
Realmente ali era um lugar mais calmo, então sentei na grama e depois me deitei olhando para o céu.
Respirei fundo e tudo passou, oque era estranho pois era para eu estar desesperada lá dentro junto com os outros, mas não, eu me tranquilizei, passei a noite inteira refletindo, oque poderia ou não acontecer.
E se acontecer oque pode, realmente não sei como vou reagir, mas vou ter que aceitar, isso é fato.
Mas depois de um tempo eu cheguei a só uma conclusão, “Que aconteça oque tiver que acontecer!”, eu sei que isso soa falso ou algo sem sentimento, mas existem momentos em que realmente não podemos fazer nada e simplesmente deixar.
Não importa oque aconteça, eu sempre vou ama-lo e ele a mim, parece que eu estou totalmente pronta para o pior, mas não, não estou, apesar de pensar isso, meu coração não para de reagir em dores amargas e dolorosas.
O Arthur ficou comigo a noite toda, ele também está bem preocupado, mas tenho que acalma-lo, me acalmando.
Fiquei mais um tempo ali deitada olhando o nada e comecei a recordar de momentos que tivemos.
O primeiro dia que nos conhecemos, e ele me levou para sua casa pois eu não estava bem, e fiquei feliz por aquele dia, e ao acordar e ver ele me observando; depois veio nosso primeiro beijo e nossos encontros; e o dia que fomos para a praia, nunca esquecerei esses dias, foram os melhores da minha vida, e foi lá que tivemos nossa primeira vez; eu amava quando ele me levava para o parque ou lia, qualquer coisa bonita que achou, para mim; quando começamos a morar juntos, a chegada do Luke, nosso natal, onde ele me pediu em casamento e  nosso ano novo, quando eu aceitei o pedido e tivemos uma noite incrível; e depois veio o Arthur; o Dino que o Felipe comprou para o Arthur...
Tantos momentos, ele era de mais e como eu amava ele e de estar perto dele, sempre carinhoso e protetor...
Quando me toquei já havia se passado mais de meia hora que tinha saído de lá de dentro, então decidi voltar, crente de que tudo estaria na mesma situação.
Andei novamente pelo corredor enorme d hospital e cheguei na salinha de espera, a Carol e a mãe do Felipe estavam abraçadas chorando desesperadamente, todos estavam abraçados, nem todos chorando, mas com as caras mais tristes que pude ver. E ao olhar para o meu pai ele também estava chorando, mas quieto e de canto.
Quando meu pai me viu, simplesmente abaixou a cabeça e disse:
-Filha, eu sinto muito, tentaram de tudo, tentaram reanima-lo mas ele  não resistiu.
Apesar de estar mentalmente preparada, de nada adiantou, desabei a chorar novamente, meu coração disparou e agi sem pensar duas vezes...
Sai correndo do hospital, descalça mesmo, sem olhar farol, nada, só corria, queria chegar o mais rápido em casa.
Ao chegar em casa, peguei a chave reserva, que estava escondida por ali, abri a porta e entrei correndo, Luke latiu para mim e saiu correndo atrás de mim, fui para o quarto e me jóquei na cama, onde estava meu vestido do casamento e o Dino, abracei  o Dino e fiquei ali quieta, só chorando.
Isso não podia ser verdade, e prefiro acreditar que não era, como poderia viver sem ele?
Luke logo chegou e deitou do meu lado e me deu a pata, apoiando-a sobre mim, tinha sorte por ter um cachorrinho sentimental e compreensivo.
...
...
Capitulo 96
Continua...
Continue Lendo ►