segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Capitulo 73 – Um novo membro.



Capitulo 73 – Um novo membro.

Voltei para o quarto e a Aline, já havia tirado a camiseta e deitado novamente. E começamos a conversar, enquanto eu tirava a roupa.
- Meu pai foi tão fofo!
-Ele foi certo e descente.
-Você acha que fomos muito duros com ele?
-Não! Nós fizemos o certo! Deixa ele correr atrás um pouco.
-Uhum, oque vem fácil, vai fácil.
-Mas agora chega! Vamos ficar juntinhos.
Deitei ao lado dela, e a abracei e ficamos ali de baixo dos edredons, por um bom tempo.
...
...
Depois do seu encontro com o pai, a Aline, parece que ficou mais animada e desposta, afinal ela viu que em breve teria seu pai de volta, e isso não era uma motivo para se desanimar, era bom vê-la um pouco mais feliz.
A partir daquele dia ela acordava com um sorriso bem mais aberto, e dava pra ver que ela precisava do pai por perto, eu acho que todos precisamos de apoios familiares, não importa qual seja.
A semana se passou calma e tranquila, o pai dela ligava todos os dias, querendo conversar com ela, no começo ela não atendia, depois passou a atender vez ou outra pra falar que estava ocupada e não podia falar no momento, apesar de geralmente ser mentira. Na outra semana, as ligações eram aceitas e as conversas duravam alguns minutos, mas eles falavam de assuntos aleatórios, ela sorria e seus olhos brilhavam ao ouvir a voz do pai, mas ela não deixava  isso transparecer, sua voz ainda era fria.
Geralmente depois de falar com o pai, ela vinha em minha direção e ficava comigo, me fazendo carinhos, brincando comigo, sempre tentando compartilhar a felicidade comigo, e sempre dava certo, pois eu ficava feliz em vela feliz.
Apesar de tudo ela gostava do pai, gostava da sua companhia e o amava, e isso era lindo.
Em um dia, ela me pediu para que eu a leva-se até a clinica de reabilitação onde o pai estava, e eu não pude dizer que não.
Ao descermos do carro, ela me deu a mão e não soltou mais, sua mão suava de ansiedade, e tremia de nervosismo. Ela se informou na recepção, sobre o pai, e logo a moça respondeu, a mulher que nos atendeu até quis avisar a ele, da visita da Aline, mas esse não era a intensão dela, ela queria mesmo eu o pai não soube-se.
Na hora que chegamos na clinica era no meio da tarde, onde os pacientes que tinham permissão, pudessem dar voltas pelo jardim da clinica, fazer algumas atividades, a Aline encontrou o pai meio ao jardim e ficou o observando de longe, e vendo a cada movimento dele.
E então recebi um abraço caloroso, e pude ver a emoção dela, ao ver que o pai estava virando outro homem, ou voltando a ser o antigo homem que sempre foi, ntes de tudo isso.
Depois de passarmos  o resto da tarde a observa-lo, Aline fez questão de conversar com o medico dele:
-Aline, certo? – perguntou o medico.
-Sim e esse é meu noivo, Felipe! – falou ela me apresentando.
-Noivo? Oh! – o medico ficou surpreso, e com certeza ele pensou que ela fosse muito nova para um casamento, mas ele nem suspeitava de que ela estava gravida, sua barriga ainda num era tão perceptível.
-É sim, meu noivo! – falou ela me dando um selinho.
-Me acompanhem, por favor!
Seguimos o medico até uma sala onde havia vários sofás e poltronas, para reunir familiares, provavelmente, e conversar sobre os tratamentos de pacientes.
-Seu pai, é um dos casos raros que vimos aqui! – comentou o medico se sentando num poltrona.
-Porque? – perguntou ela curiosa, enquanto sentávamos num sofá próximo ao medico.
-É muito raro encontrarmos, pacientes que venham aqui procurar ajuda por conta própria, como seu pai fez, geralmente os pacientes são jogados aqui involuntariamente, mas você quer saber o porque seu pai fez isso? – Aline fez que sim o a cabeça. – Ele disse que queria ter sua filha de volta, e voltar a ser um homem bom e digno.
A Aline sorriu orgulhosa por causa do pai.
-Aline, a partir de agora o apoio da família, é mais do que necessário, pois ele tem que ver eu isso valeu a pena, passar por todo o tratamento valeu a pena, porque se não ele irá se deprimir de novo, e pode deixar escapar novamente.
-Eu não vou deixar isso acontecer! Ele terá meu apoio como sempre teve! – falou a Aline ao medico. – Tem mais algo a me falar?
-Não, isso é tudo! Mas eu lhe aconselho a falar com psicóloga dele.
Depois de falar com o médico ficamos mais um tempo na clinica a observar o pai dela e ela sorria ao vê-lo.
Os dias se passavam e o cantado deles era cada vez maior, e ver a Aline cada dia mais feliz, me animava mais. E depois de um tempo ela começou a fazer visitas frequentes ao pai, e passava a tarde toda com ele. E agora ele era mais um novo membro para a nossa pequena família. Até eu comecei a gostar mais dele, e vi que realmente ele era um homem diferente, daquele que conheci, mas mesmo assim num podia apagar aquilo da mente.
Vê-lo maltratando a Aline, me batendo sem motivo, sua agressividade era impressionante, e agora ele era uma pessoa totalmente diferente.
...
...
Capitulo 74 – Capitulo 43
Ao meio de tudo aquilo, minha inspiração foi elevada, e então comecei a escrever...
...
Continua...

Nenhum comentário :