quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Capitulo 63 – Passagens



Capitulo 63 – Passagens

-Tive uma proposta de trabalho fora do pais, mas não quero deixar a Aline sozinha e nem o bebe.
-Bebe? –perguntou ele confuso.
-É o Arthur, meu filho!
-Nossa! Você já é pai?
-Sou! – disse rindo, pelo seu tom de voz.
-Bom, pelo menos, sei que será um bom pai!
-Porque?
-Você ... É ... É uma pessoa incrível.
-Hum, você também é! – disse a ele bagunçando seu cabelo.
-Acho que você deveria ir, afinal é seu trabalho, e eu sei que eles ficaram bem aqui!
-Hum é também acho. – parei um pouco e pensei – É eu vou sim!
-Isso ai!
Eu e o Bruno ficamos sentados por um bom tempo só conversando e brincando, e logo começou escurecer, então eu fui obrigado a ir até a redação.
...
...
Ao chegar na redação as portas automáticas se abriram e quando viram eu entrar, foi como se paralisa-se o prédio, alguns fixaram seus olhos em mim, outros olharam e logo disfarçaram, afinal fazia mais de dois messes que não ia para lá. E com certeza ficaram surpresos com meu surgimento repentino.
Me dirigi para a recepção, logo a mulher que gostava de mim, que eu não recordava o nome, abriu um largo sorriso e a outra só me olhou e fingiu que eu não existisse.
-Por favor, avisa a Carol que o Felipe quer falar com ela.
-Eu acho que a Dona Carol, está avaliando um editorial agora!
-Sem problemas, só mande o recado!
-Esta bem, irei comunicar a secretária.
A outra recepcionista me olhou com uma cara de desgosto, e então não perdi tempo.
-Sabe sorrir um pouco não faz mal, e você tem o rosto bonito, não precisa ficar com a cara fechada!
A recepcionista deu um leve riso e voltou para o telefone, e a outra envergonhada com oque eu disse, sorriu e tentou esconder o rosto.
-Beijo gente! – disse saindo. – E obrigado!
-Até mais Felipe! – respondeu a atendente que estava comunicando a secretária da Carol.
Perambulei pelos corredores e fui até a parte do prédio, onde eram feitos os editorias, lá estava uma correria, algumas modelos ainda arrumavam os cabelos e faziam as maquiagens, outras colocavam as roupas, o fotografo arrumava a iluminação e ajustava a maquina, Carol estava lendo algum roteiro do editorial e via se estava tudo nos seus conformes. Fabinho, analisava cada detalhe nas roupas das meninas vendo se estava tudo certo, as vezes ele tirava algo, ou acrescentava.
Eu me aproximei da confusão oque fez todo mundo parar, Fabinho surpreso ficou imóvel e todos a volta me olhavam curiosos, Carol parou de olhar o roteiro e  notou o silêncio repentino no ambiente.
-Oi gente. – disse a todos – Carol vim falar com você!
-Felipe? Mas que surpresa, não precisava ter vindo pessoalmente! – disse ela se virando.
-Quis matar a saudade daqui!
-Hum. – disse ela sorrindo. – Vamos até a minha sala?
-Vamos!
Carol largou o roteiro na bancada de acessórios e depois se dirigiu até a mim, fomos andando em silêncio até a sala dela e todos me olhavam com olhares curiosos,
Ao entrarmos na sala dela, ela entrou e se sentou olhou para mim e sorriu.
-E então?
-Carol, pode contar comigo na viagem!
-Decidiu aceitar?
-Sim, quero participar do editorial em Londres!
-Uhum, pode deixar já irei avisa-los e já entrarei em contato com você.
-Tudo bem! Vai precisar de algo?
-Passaporte, você tem?
-Tenho, amanha eu lhe trago.
-Tudo bem. – ela deu um pausa. – E o livro?
-Está ótimo, estou na metade.
-Ótimo, então nos vemos amanha?
-Sim, pode deixar!
-Desculpa é que hoje, isso está uma loucura.
-Como sempre!
-Exatamente!
Me despedi da Carol e logo voltei para casa, e como combinado na tarde seguinte levei o passaporte para ela, e depois de alguns dias ela me liga, avisando que a passagem, já havia chegado, e quando fui pega-la, Carol me passou todas as informações necessárias, e agora era só esperar o dia do voo.
...
...
Capitulo 64 – Voo
A partir dali não a veria por uma semana...
...
Continua...

Nenhum comentário :