segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Capitulo 6 - As Mortes

  



Capitulo 6  - As Mortes    



E quando ele tirou o capuz, reconheci o rosto dele, aqueles traços delicados e o cabelo liso e comprido:
-Gabriel? O que você está fazendo?
-Sentiu saudades Bruno?
...
...
-Hum, nunca imaginei, um loiro, alto, de olhos verdes, pele clara e ex-modelo, virar um psicopata!
-E quem disse que sou um psicopata?
-Bom é o que parece e...
-Socorro ... – ouvimos meninas gritarem atrás da porta a direita.
-Calem a boca suas inúteis! – ordenou ele.
-O que foi isso ? – perguntei com o medo da resposta.
-São os meus brinquedinhos, algumas vitimas bem bonitinhas que decidi não matar, afinal todo homem precisa de diversão as vezes, então uso elas para me dar prazer e depois ...
- Como você é nojento!
-Nojento?
-Solte-as e a todos que estão aprisionados aqui.
-Não até conseguir oque eu quero ...  – ele ergueu a mão e fez Luiza flutuar até ele e a agarrou e com uma faca ele massageava o corpo dela.
-Solte-a agora ou ...
-Deixe lhe explicar por onde estive nesses anos ...  – disse ele me ignorando.
“Então, depois da lamentável morte da minha irmã, decidi me vingar de todos, então aprendi magia negra e hoje torturo e mato todos que passam nesse acampamento.”
-Mas sua irmã se afogou, que culpa os outros tem ?
-Toda, ninguém a ajudou sair do lago.
-Talvez ninguém tivesse percebido por que ela não resmungou? E logo que percebi entrei no lago para pegá-la, e mais dois meninos foram junto atrás de mim, mas já era tarde.
-Mas ela morreu, isso que importa e agora vou vingar tudo isso.
-Mas Gabriel você não entende que ...
-Cala a boca agora ... – disse ele com a voz alta e grossa como um uivo de um lobo, e sua voz foi ficando, cada vez mais rouca, e de verdes seus olhos se tornaram vermelhos sangue. – todos iram pagar, todos!
Luiza assustada, começou a soltar lagrimas , mas não excitou em falar nada.  
-Essa garota, é sua namoradinha? – disse ele fazendo ela erguer a cabeça com um puxão no cabelo. – Nossa ela é uma delicia, eu adoraria abusar desse corpinho dela, acariciá-la e ...
-Cala a boca! Seu maníaco, se você encostar um dedo nela eu vou ... Eu vou ...
-Vai fazer o que? Bruno, lembre-se você não pode contra mim. – ele mordeu a orelha dela e pronunciou umas palavras que pareciam francês ou algo do tipo, mas não pude entender oque ele disse.
Depois disso, ela se desligou e ficou inerte.
-Preste atenção! – disse ele.
Com sua mão, ele começou a acariciar o corpo dela, passou a mão na barriga e subiu, até os seios dela, e começou desabotoara camisa dela...
-Não se atreva!!! – gritei, mas fui ignorado.
Ele assim que abriu uma parte da blusa dela começou a acariciar e a aperar um dos seios dela e a beijou de língua.
Eu estava preso ao chão por alguma energia muito forte e não conseguia impedi-lo.
Depois de beijá-la ele levou a mão até a calça dela, e após colocou a mão por dentro da calça e começou a acariciar ela.
-Já chega!!! – gritei, lutando contra a energia do chão.
E quando me soltei dei um passo pra frente e me prendi novamente.
-Não se aproxime! - ordenou ele, fazendo um corte na perna dela. – A cada passo um machucado novo nela.
Eu deixei ele se distrair novamente, e quando ele já estava todo animado com as caricias no corpo dela, nem percebeu que eu havia me soltado, peguei o pé de cabra que estava encostado na parede e fui ataca-lo.
Quando comecei a reagir, Luiza também começou a reagir, e deu um chute em Gabriel, fazendo ele ir para trás, aproveitei a oportunidade e o acerte na cabeça, fazendo ele encostar nos fios de eletricidade da casa.
E assim que eles entraram em contato a cabana se descontrolou e solto fortes ondas de energia, fazendo ele gritar de dor e se queimar todo e pelo que parecia ele tinha morrido, ou pela eletricidade, ou pelo desespero que fez seu coração disparar.
-Você está bem amor?
-Agora estou!
Eu e ela fomos abrir a porta onde estavam as garotas, lá dentro estava a Aline e mais 4 meninas super atraentes.
Decidimos sair imediatamente da cabana, as meninas foram na frente junto com a Luiza e Aline, eu fiquei mais um tempo só para observar um pouco:
-Bruno ... – gemeu o Gabriel – desfaça os símbolos, ou as almas permaneceram presas aqui e eu estou morrendo, se os símbolos continuarem eu serei amaldiçoado e me tornarei em mais uma alma sem rumo. – ele acabou não aguentou permanecer vivo, e morreu antes de me disser como eu poderia desfazer os símbolos.
Então comecei a pensar, mas de repente os símbolos começaram a sangrar, e as gotas que escorriam se tornavam em chamas e logo o fogo tomou conta da sala, sai da cabana correndo:
-Bruno o que aconteceu? – perguntou Luiza.
-Com a morte de Gabriel, parece que a maldição das almas está se desfazendo ou se tornando permanente, temos eu sair daqui o mais rápido que pudermos, vamos para o nosso acampamento pegar o carro.  
  

Autores: @gabiparceli @Izaamoutinho_ @PatyBiglit e @CaioBigliazzi

Nenhum comentário :